Sem saber nasci católico, mas reneguei por Jesus

Qual sua religião? Eu sou católico. Eu falava por que era hábito ouvir as pessoas falando. Eu cresci ouvindo sobre ser católico, sem entender o que realmente era e fui percebendo que era muito ruim diante das pessoas responder que não acreditava em nada. Não tenho objetivo de falar mal do catolicismo, pois eu fui um deles e eu também não gostava que falasse deles.

Eu não entendia bem sobre preconceito, por que meus familiares frequentavam as religiões afro, como jogo de búzios, sacrifício de animais, uso de sangue de animal (era usado em ritual para misturar o sangue do animal com o sangue humano na cabeça) raspagem e catulagem, guias, pais de santo e tudo mais, mas, independente disso tudo, todos eram católicos. Então pra mim, católico e ubandista/candomblecista era tudo a mesma coisa.

Me lembro que sentava no calçada com meus amigos da rua e falava com eles que todos nós éramos irmãos, pois todos nós somos filhos de Deus.

Minha mãe me obrigou a fazer “catecismo”, não por que era uma católica fervorosa ou praticante, mas por que “era bonito” ter um filho que fizesse catecismo. É como ter um filho em uma escola tradicional reconhecida ou militar.

Eu estava acostumando com velas para os santos, vela para o anjo da guarda, defumador mensal (odiava o cheiro), pipocas jogadas pelo chão, velas vermelho e preto, pato e galinha pelo apartamento (para os sacrifícios) eu não entendia nada sobre religiões, eu simplesmente nasci e falaram: Você é católico por que no Brasil, todo mundo nasce católico.

Aí eu conheci o Senhor Jesus e meu mundo caiu. Tudo aquilo que eu aprendi ouvindo ou que me ensinaram veio por água abaixo.

Descobri que Jesus é o caminho, a verdade e a vida e que a gente só tem acesso a Deus através do Senhor Jesus – João 14.6

Aprendi que ao ler a bíblia, me aproximo de Deus e seus ensinamentos, aí eu descubro sobre um dos dez mandamentos que fala que não devemos adorar imagens como os católicos fazem (eles dizem que não adoram, veneram mas você já cansou de ouvir falar de pessoas afirmando que alcançou a benção que um santo católico que ele adora) Êxodo 20.

Conheci sobre Davi e seus Salmos, que em um dos Salmos, o 115 ele já falava sobre os “deuses deles” que são feitos de pau, pedra, ferro e que tem mãos que não apalpam, tem bocas mas não falam… e o Dele, está no céu.

É o que acontece quando a gente se converte. Todas as superstições que a gente aprende de ouvir, de conversar com as pessoas, de orientações de pessoas que fazem, tudo isso desaparece.

Ser católico, não impede de ser amante, de matar, de roubar, não trás nenhuma consciência de bem ou mal, de participar de esquemas, de trair, de fazer mandingas para outras pessoas, de orgias, de nada. Na verdade, ser católico é o mesmo que não ter religião nenhuma.

E o Espírito Santo, que nos convence do pecado, que abre nossos olhos, nos ensina a revelar Deus para pessoas que antes eram como nós no mundo, que não saía de casa sem ler o horóscopo, que queria ver o futuro, que fazia mandigas para abrir os caminhos, por que na verdade, ser católico é ser qualquer coisa, é acreditar em qualquer coisa, não tem nenhuma separação de nada.

Bom, por isso existe o católico não praticante e o praticante, por que independente de praticar ou não, o importante é ser católico.

Então se você for novo convertido em Jesus, relaxa, que o Espírito Santo vai te transformando aos poucos. Todos os conceitos e pré-conceitos religiosos vão desaparecer.

Alexandre Cruv